terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Nudismo

    Uma dos objetivos a cumprir neste novo ano é darmos-nos a conhecer numa praia de nudismo. Já muitas pessoas nos viram nus aqui no blog, mas queremos levar o nosso lado exibicionista um pouco mais longe e tornar a situação ainda mais picante. No entanto, nunca fizemos algo do género, pelo que gostávamos que nos sugerissem algumas praias mais para o Norte de Portugal onde pudéssemos por em prática o nosso desejo!  
    Deixem comentário ou enviem email para brincarfogo@gmail.com.

sábado, 5 de janeiro de 2013

Fazer Amor ou Foder?!


    Após algum tempo sem atualizar o blog, aproveitamos o início do ano para o fazer, trazendo-vos o relato da nossa experiência mais recente.

    Tudo começou com uma aposta. Queríamos ver quem aguentava mais tempo sem tentar nada de carácter sexual com o outro. Quem perdesse tinha de fazer um striptease ao outro. Depois de estar uma semana sem qualquer contacto físico com a Afrodite, chego a casa dela, onde me recebe apenas com um robe muito curto, deixando antever as suas nádegas firmes e as pernas elegantes. Fomos para o quarto e não resisti – meti de imediato os dedos na vagina que, por aquela altura, escorria já de tanta vontade. Tinha perdido a aposta! Tinha de lhe fazer um striptease!
    Nunca tive muito jeito para tal, pelo que não era algo que me deixava muito confortável. Mas aposta é aposta, e chegou o dia em que tive de a pagar. Não se contentando com o strip, a Afrodite pediu ainda que a violasse de forma bruta.
    - Queres  mais alguma coisa? – perguntei eu.
   - Quero que  me fodas toda! – é raro ela dizer algo do género, por isso apercebi-me que ela queria que fosse mesmo bruto, que a tratasse como uma autêntica escrava.
    - Esta noite não vamos fazer amor então, vamos foder! Vais ficar toda aberta! -  respondi-lhe.
    Fomos para o quarto e disse-lhe que se sentasse numa cadeira. A música começou a tocar e, de forma desajeitada, comecei a (tentar) movimentar-me de forma sensual e a tirar a roupa. Via-se que ela estava a gostar e a ficar com vontade. Quando me aproximava, não resistia a percorrer o meu corpo com as mãos, a apalpar-me o pénis, que estava mais duro que nunca! Quando estava já só com os boxers vestidos, puxo-a para mim, fazendo com que se levantasse. Rodei-a para que ficasse de costas e, abruptamente, empurrei-lhe a cabeça para baixo. Com as mãos apoiadas na cadeira, ia esfregando o cu em mim, em movimentos sensuais e ao ritmo da música que ainda tocava. Desapertei-lhe as calças e baixei-as para que pudesse sentir melhor como eu estava duro. A partir dali quem mandou fui eu! Se ela queria ser fodida, então era fodida que ia sair do quarto!
    Agarrei nela e atirei-a para cima da cama. Baixei os boxers e agarrei na mão dela para que me estimulasse. Pouco depois, tirei-lhe a restante roupa e vi que as cuecas estavam encharcadas. Sabia que devia estar molhada. Pequei na mão dela e fiz com que se masturbasse para eu ver. Não há nada que me excite mais! Quando vi que tinha os dedos embebidos no próprio fluído, levei-os à boca dela para que se saboreasse, o que me deixou ainda mais desejoso!
    Com uma fita de cetim, amarrei-lhe as mãos e prendi-as à cama. Enquanto lhe beijava e lambia as mamas, o pescoço, os ombros, ia-lhe batendo com a mão sobre a vagina. As pequenas lambadas estavam a aquecê-la e a fazer com que começasse a gemer. Como vi que estava a gostar, ajoelhei-me entre as pernas dela e, com a mão, peguei no meu pénis e usei-o para bater com ele sobre o clitóris já inchado da Afrodite. Estava a escorrer de tão molhada que estava e, usando isso a meu favor, entrei repentinamente dentro dela, sentido que não podia ir mais fundo. Levantei-lhe as pernas, que ficaram sobre os meus ombros, e fui socando o pénis dentro dela, fazendo com que a Afrodite gemesse cada vez mais alto. Quando senti que se estava quase a atingir o auge, tirei o pénis e, segurando nas suas pernas para trás, lambi-a até se vir num ruidoso orgasmo. Sem a deixar recuperar, coloquei-me sobre a cara dela, segurei-lhe na cabeça contra a almofada para que ficasse imóvel e, fazendo eu os movimentos ritmados, fodi-lhe a boca até a encher com o meu leite, que engoliu de seguida.
    Sem descansar, peguei num vibrador e pressionei-o sobre o clitóris dela enquanto lhe enfiava os dedos sem parar. Passado pouco tempo, começou a gemer intensamente, como que se estivesse prestes a vir-se. Contudo, apesar de esperar que o orgasmo chegasse, ela continuou incessantemente a gemer e a contorcer-se durante alguns minutos. No fim disse-me que não sabia o que tinha acontecido. Terá sido um orgasmo múltiplo? Nunca tinha sentido tanto prazer, durante tanto tempo.
    Ainda sem força nos músculos, ordenei-lhe que se virasse de costas e ficasse de quatro. Ela obedeceu e arqueou as costas, empinando o cu, como que a convidar-me que a penetrasse. Pressionei a cabeça dela contra a cama para que ficasse com o cu ainda mais levantado e não hesitei em enfiar-lhe a minha pila com toda a força na vagina já dorida. Fodi-a sem dó, agarrando-a pelo pescoço, pelo cabelo, enquanto ela gemia e eu entrava cada vez mais fundo. Quando me estava prestes a vir dei-lhe umas fortes lambadas nas nádegas, que a fizeram gemer mais alto e que resultaram no meu orgasmo!
    Por incrível que pareça, não foi o suficiente para me matar a vontade e, no fim, ainda estava com tesão para mais uma ou duas voltas. Contudo, não houve tempo para mais. Mas de certeza que a Afrodite vai aproveitar para me acabar de satisfazer assim que possa!
    Foi uma noite inesquecível e uma ótima forma de começar o ano.


    - Então gostaste da violação? – perguntei depois.
    - Venerei!!!

Eros